segunda-feira, 24 de maio de 2010


As antigas e inerentes necessidades de estabilidade saudável

São trocadas por pingos de aguardente, fugacidade.

Os caminhos que outrora foram trilhados por Shakespeare

Acabam por se perder na trilha cansada de sonhos.


Violentaram os ramos de rosas.

--Pétalas ao vento!

Não se ouve mais o som das encostas

--Deixaram por suavizar o quisto.


Ímpeto dos imbecis

Desvairadas cenas de uma ilusão clássica.

Desmoronamento; --Corram!

Acaba por ser mútua a inconstância, declínio.


Os abastados do gozo delirante estão à procura

Procura inerte!

O desvairar da noite os inebria

Equilíbrio, entrega, liberdade e cantares.


Fabrício Caetano

2 comentários:

  1. Muito bom! Não sabia que você escrevia!
    Depois passe no meu: http://ufaroleiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oiii!!! adorei o su blog! estou te seguindo, bjuxxx!

    ResponderExcluir