domingo, 16 de setembro de 2012

Era o caos





A confusão instalada
De caráter renovador a partir
Da destruição,
Absorve-me.

Secando o rosto com a atenção
De um incógnita alfa,
Enchendo meus olhos
Com a juventude intacta
Do errate com ou sem sentimentos.

Quando diante do impasse pessoal,
Me vi justo e despido de mim,
A favor de uma relação íntima
De pureza e amor-perfeito.

A reclusão abraça-me docemente,
Relaxando cada linha do cérebro.
Reagindo a isso, meu corpo se mantém
Ileso e minha mente sóbria:
Sóbria de outros.

Fabrício Vunjão Caetano - 14.09.2012
Imagem: Sturman

Um comentário:

  1. Consigo.
    Falta palavras... poesia delicada e iluminada.

    Flores!

    ResponderExcluir